Diário de uma ex-fumante

Escrever aqui sobre não fumar, me faz criar um compromisso comigo mesma. Eu não tenho vergonha de compartilhar minhas derrotas pessoais. Acredito piamente que parar de fumar é uma das coisas mais difíceis que alguém pode fazer.

Fumei meu primeiro cigarro aos 13 anos de idade. Apesar daquela tontura que o cigarro causa, não achei muito interessante. Aos 17 anos, no início do terceiro ano do ensino médio, comecei a fumar com algumas amigas… O ano em questão era 2002.

No princípio de 2003 eu parei assim do nada. Fiquei um pouco mais de um ano sem fumar e em 2004 começando a faculdade coloquei o cigarro nos dedos novamente. Consegue pensar em algo mais social do que um cigarro? Dá pra compartilhar inúmeros momentos, dá pra se sentir bacana e descolada sempre… Dava pra ter companhia, mesmo sozinha, enquanto esperava um ônibus.

O cigarro me acompanhou durante toda a graduação. Conheci o Sergio (meu marido) e a gente fumou junto rs… Em 2010, já estava casada com ele, quando resolvi parar de fumar. Ele parou no ano seguinte e em 2012 voltamos a fumar na festa de 90 anos da Dona Júlia (avó do Sergio). Não dá pra entender: por que voltar a fumar depois deste tempo todo? Acho que depois de 1 ano a gente esquece os pontos negativos do cigarro… Vê alguém fumando e começa a se questionar sobre isso. Foi deprimente ver passar 2 anos fumando…

Em dezembro de 2014, eu fui em uma cerimônia xamânica de tabaco e na reza eu pedi pra parar de fumar no ano seguinte. 2015 foi um ano inteiro de tentativas, com adesivo de nicotina, com bupropiona, com meditação, com homeopatia, com redução do numero de cigarros, cigarro eletrônico, com grupo de apoio anti-tabagismo… Enfim, vários métodos, resultados variados.

As vezes ficávamos uma semana, duas sem fumar… E no primeiro estresse acendíamos um cigarro. Foi nessa época que comecei a narrar minhas desventuras neste blog. Até que no dia 30/11/2015, a gente parou de fumar junto. Passamos o reveillon sem cigarros, o carnaval sem cigarros… Tive a primeira recaída aos seis meses… coisa de um dia ou um cigarro… Até que no fatídico dia 23/03/2017 o tombo foi grande de mais e voltamos a fumar de novo.

No primeiro mês eu senti vergonha, tentei esconder de pessoas próximas… Acabei percebendo que é bobagem esconder. Pra se livrar do cigarro a gente tem de encarar as derrotas de frente. É preciso ter em mente que o único cigarro que a gente fuma por vontade própria é o primeiro, o resto é vício. #terceirodiasemcigarro

Publicado por Keylla García

Terapeuta integrativa apaixonada por Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa. Estuda e desenvolve técnicas para o controle e alívio do estresse desde 2021. Escritora, bióloga, fotografa, videomaker, webdesigner... uma pessoa que segue, confiantemente, em direção aos seus sonhos.