Sim, já parei de fumar com Champix

Hoje li um comentário recente aqui no blog, foi postado em junho de 2020 por uma leitora dizendo que ficou curiosa e gostaria de saber qual foi o desfecho da minha saga anti-tabagismo.

Se estes textos podem servir de inspiração pra alguém parar de fumar, isso por si só, valeu escrevê-los. Pois bem, reli cada uma das minhas desventuras e notei que não contei aqui a última vez que parei de fumar, foi em 2018.

Tomei o Champix pra parar de fumar. Eita remedinho caro. E vou ser bem sincera, não segui a risca os 90 dias de tratamento. O que fiz foi comprar a caixa de 40 comprimidos e dividir ela com o Sergio, cada um tomou cerca de 20 comprimidos. É verdade que em poucos dias o cigarro já esta intragável. Foi a pão-duragem que me fez parar sem comprar outra caixa. Pois senti falta de tomar alguns comprimidos a mais… Talvez tivesse sido mais fácil com os 40 comprimidos… Talvez deveria ter tomado os 90 conforme manda a bula… De toda forma continuo repetindo: parar de fumar é uma das coisas mais difíceis que alguém pode se propor a fazer. Independente do que você tente, sempre vai ser difícil. Não digo pra te desmotivar, digo pra te conscientizar.

Mesmo tomando o Champix, alguns meses depois de parar de fumar, em um casamento de amigos fiquei muito bêbada e não sei como, descolei um maço do meu cigarro favorito todinho pra mim…

O casório foi numa pousada em Macacos – MG, não tinha nenhum comercio perto, de forma que, acredito que alguém me deu os benditos Luck Strick da caixinha preta com as bolinhas azuis pra se apertar… Fumei, fumei sim… Meio maço escondido do Sergio e de vários amigos que poderiam me criticar. É impressionante como que uma parte da gente é vontade de fumar e a outra é que é a resistência fica silenciada quando nos propomos a fazer as coisas escondido.

Bom, no dia seguinte tive uma ressaca homérica. E a fissura foi cruel. Lembro de me sentir muito frustrada, por não saber me divertir sem enfiar o pé na jaca. Já passou um bocado de tempo, e não me lembro ao certo se fumei mais alguns cigarros nos dias seguintes… Mas sei que essa recaída não foi uma dessas que durou muito tempo.

Foi difícil, lidar com a fissura, com os pensamentos dizendo pra voltar a fumar o careta, mas o tempo passou e eu consegui. Hoje tenho certeza que as quedas precisam ser compartilhadas pra lembrar força que vício em nicotina tem sobre o fumante.

Hoje escrevo depois de quase 6 meses de quarentena da Covid-19 e te digo que neste tempo de ficar em casa muitas vezes eu pensei: – que bom que não fumo mais. Eu não me engano, sei que se eu descuidar vou cair, é preciso ter essa consciência. É preciso comemorar as vitórias também. Como não me lembro o dia ao certo da última vez que parei de fumar. Vou comemorar este ano o dia da última recaída 01/09/2018 que seja um lembrete pra não abrir excessões, pra não me enganar achando que se eu fumar vai ser apenas um cigarro. Nunca é apenas um cigarro.

Se agarre a sua vontade, persista. Tente quantas vezes forem necessárias. Tente de todas as formas que puder. Faça por você. E deixe a sua história aqui pra mim, que de tempos em tempos eu volto por estas bandas e recarrego minhas energias aqui.

Publicado por Keylla García

Terapeuta integrativa apaixonada por Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa. Estuda e desenvolve técnicas para o controle e alívio do estresse desde 2021. Escritora, bióloga, fotografa, videomaker, webdesigner... uma pessoa que segue, confiantemente, em direção aos seus sonhos.