2021 veio junto com o término de um relacionamento longo

Quase uma vida inteira de pequenos desconfortos que nunca foram grandes demais. Mesmo com algumas evidências que eu estava vivendo um relacionamento tóxico, eu simplesmente não queria lidar com isso.

Em 2014 um médico me deu o diagnóstico: intolerância… Pronto, meu caso de amor com os laticínios tinha um nome.

Só que do lado de fora tudo corria bem, sem sintomas aparentes, eu até tentei me importar, mas minha tentativa de separação não durou mais que alguns meses. E eu passei os últimos anos me esbaldando com risotos, pizzas e molhos de tomate feitos na manteiga…

Mais aí, em dezembro de 2020 o meu olho direito ficou inflamado: Episclerite. Foram quase 2 meses com metade da esclera (parte branca do olho) colorida de vermelho. O que desencadeou uma série de consultas ao oftalmologista, reumatologista, gastroenterologista…

Sem diagnóstico fechado, mas com muitas possibilidades. De um lado, essas inflamações do olho são autolimitadas, vão e vem muitas vezes sem se descobrir o “por quê”. Do outro lado, pode ser um indicativo de doença autoimune que pode estar ligada a intolerância alimentar.

Nesse ponto não consegui mais ignorar meus problemas de relacionamento. Foi assustador (ainda é), chorei, tive medo, enfim…

Isso me fez olhar pra todos os yogurtes naturais da geladeira, o queijo canastra de Araxá – recém comprado, o parmesão, o gouda… E a ficha caiu, estava vivendo um relacionamento tóxico com o queijo. E quando constatei isso, comecei a rever alguns hábitos e a buscar a autonomia que eu perdi sobre a minha saude ao ignorar por tantos anos atitudes de autocuidado.

Enquanto vivo a saga do diagnóstico sobre o meu intestino, a possível doença autoimune, a inflamação do olho direito e a confusão mental que toda essa situação causou. Aqui em casa toda a família abraçou a minha intolerância e transformou o gosto por cozinhar e o hábito em preparar as próprias refeições nessa aventura de adaptação alimentar que a gente compartilha por aqui.

No fundo, no fundo a gente sabe que não é só sobre viver sem lactose, é sobre mudar a mentalidade e ser mestre da própria vida.

#autoconhecimento

Publicado por Keylla García

Terapeuta integrativa apaixonada por Acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa. Estuda e desenvolve técnicas para o controle e alívio do estresse desde 2021. Escritora, bióloga, fotografa, videomaker, webdesigner... uma pessoa que segue, confiantemente, em direção aos seus sonhos.

Um comentário em “2021 veio junto com o término de um relacionamento longo

  1. Muuuuuito obrigada por compartilhar a sua dor, ela é minha TB! Dá um nervoso, dá abstinência,da um montão de coisas…ler teu relato me abraçou!

    Ser intolerante na verdade é viver melhor!

    Curtir

Comentários encerrados.