# Dia 26 Parei de desestressar e agora?

Oi Biscoitinhos 🥠 e Bolachinhas 🍪, hoje o post é um textão.

Se a jornada fosse linear seria bem simples escrever este post. Eu poderia dizer pra vocês que: “quem parar de desestressar e sentir falta é só voltar a fazer o que estava fazendo. É só voltar a se cuidar.” Mas a jornada não é linear, ela é cíclica, ela dá voltas em torno das lições que precisamos aprender. Vou contar como aconteceu comigo.

Ontem eu estava no meu dia 55, e percebi que parei de desestressar. Fui escrever no meu caderno a noite e vi que fazia alguns dias que não anotava o que fiz e como me senti. A última anotação tinha sido dia 51. Foi bem mais difícil lembrar os dias anteriores, mas com esforço percebi que eu até fiz pelo menos uma coisa por dia para desestressar no dia 52, 53, 54 e 55. Então por que é que ao invés de desestressar eu estava ficando cada dia mais irritada comigo e com as pessoas ao meu redor?

🤸🏻‍♀️✨ Somos a soma de tudo o que vivemos, de todas as nossas escolhas, de todas as nossa emoções, de tudo o que fazemos e de tudo que pensamos. Ninguém é imune ao estresse. A verdade, é que episódios de estresse sempre vão acontecer. Você pode mudar a forma como lida com o estresse, mas ainda assim, não se torna imune a ele.

Voltando ao que aconteceu comigo… Eu percebi que meu cabelo estava caindo e ficando mais ralinho na franja… Eu percebi que o cabelo começou a cair no ano passado, nos primeiros meses da pandemia, eu até fui ao medico no início de 2021, ele me receitou vitaminas, tomei por 3 meses e não resolveu. Devia ter voltado ao médico, mas não voltei.

Eu relatei o problema pra tratar nas minhas sessões semanais de acupuntura, eu falei na consulta que fiz semanas atrás com a Fitoterapeuta, mas mesmo assim a queda continuou me chamando a atenção. Eu até cortei os cabelos, pra dá uma forcinha e tentar cuidar melhor deles curtinho. Então resolvi marcar um médico novamente. Era o meu dia 37, em 15 minutos de consulta e com o médico só olhando minha cabeça a olho nu, eu sai do consultório com meu diagnóstico de Alopécia Androgenética (a calvice feminina): e uma receita pra tomar Minoxidil e + um remédio diurético pro resto da vida e voltar em 4 meses.

Depois desse dia, ficou mais frequente pular um dia de anotação no meu caderno, também notei que as vezes eu escrevia só o que tinha feito e não falava sobre como me senti. Então comecei a ter pensamentos repetitivos sobre a minha queda de cabelo. Nos primeiros dias tomando o diurético eu tive diarreia, uma das reações que o medicamento pode causar. Isso, junto com a consulta rápida, o exame a olho nu e todas as dúvidas que surgiram sobre o meu destino capilar me fizeram suspender o uso dos medicamentos (tinha 5 dias que estava tomando) e resolvi que tinha de voltar ao médico.

Conversando com uma amiga médica, resolvi marcar com uma tricologista, uma dermatologista especialista em cabelo. Uma consulta particular.

Do meu dia 37 ao dia 52 (dia da consulta com a Tricologista) até o dia 55 (dia em que estou escrevendo este relato) eu vi minha irritação crescer, continuei fazendo pelo menos uma coisa por mim mesma por dia, coisas que já havia testado e que estavam funcionando perfeitamente para aliviar meu estresse. Mas não estava desestressando.

Eu sei que a preocupação excessiva e o estresse com o diagnóstico de uma possível doença são coisas que pioram doenças em geral. Sei que viver um episódio muito estressante ou um período prolongado de estresse pode fazer o cabelo cair… estressar com a queda de cabelo é algo que só ia piorar a situação.

No dia 52 eu fiz um exame que chama tricoscopia, uma super camera fotografa o couro cabeludo, e assim a médica avaliou e explicou qual é padrão da minha queda de cabelo e prescreveu um tratamento, com remédios pro resto da vida. Ela pediu pra que eu confiasse no tratamento e não me preocupasse excessivamente com isso, pois os resultados só seriam visíveis em 6 meses. Apesar de um pouco aliviada, por ter as dúvidas esclarecidas e mais amparada por ter o celular da médica pra tirar qualquer dúvida. Como não ficar preocupada com meu cabelo?

Nos dias seguintes passou pela minha cabeça: meditar. Sim, Meditei? Não. Ao invés de ouvir minha intuição eu entrei nessa frequência de deixar minha mente se agitar e repetir pensamentos… Então hoje quando fui anotar todas as coisas que fiz pra desestressar eu percebi que estava estressando, ao invés de desestressar.

O que fazer agora? Começar do zero? Eu perdi estes dias da minha jornada? Não, não perdi nenhum dia da minha jornada, com certeza eu poderia estar pior se não estivesse fazendo pelo menos uma coisa por dia pra desestressar. Mas mesmo que eu tivesse largado mão e não feito nada nestes 4 dias eu não teria que começar do zero.

Ninguém nunca volta ao zero, lembra que a jornada é cíclica e que as lições que precisamos aprender sempre tornam a aparecer? A lição que tenho que aprender aqui já me apareceu antes: é importante controlar e aliviar o estresse, pois o estresse afeta diretamente o prognóstico de doenças, ele abala o sistema imunológico e faz as doenças progredirem mais rápido.

Na medicina chinesa, todas as doenças começam na mente, antes mesmo de se instalarem no corpo. Corpo e mente são um só.

🤸🏻‍♀️✨ Dito isto, volto na pergunta que fiz no título do post: Parei de desestressar e agora?

Tome consciência do que te fez parar de desestressar. Qual é a lição que você precisa aprender na sua jornada? Aprenda com ela, escreva sobre ela no seu caderno.

Eu sei que muitos de vocês não estão anotando no caderno, e pra vocês que não anotam eu pergunto: percebe como eu aproveito oportunidades valiosas de aprender com minhas anotações? Estes insights estarão disponíveis pra você assim que você começar a anotar. Bora anotar Bolachinhas 🍪!