Quatorze

Aquela que se olha e não se vê, chama-se invisível
Aquela que se escuta e não se ouve, chama-se inaudível
Aquela que se abraça e não se sente, chama-se impalpável
As três não podem ser reveladas
Por isso se fundem e se tornam uma

A parte superior não é clara
A parte inferior não é escura

A Constante que não pode ser nomeada
Sempre retorna à não-Existência
É a expressão da não-Forma
Uma imagem imaterial
Escuridão caótica

Encarando-a, não se vê a face
Seguindo-a, não se vê as costas

Atém-se a Tao ancestral
para viver o momento presente
Busca conhecer a essência antiga das coisas
para compreender o fio ininterrupto da Tao

Adaptação livre de distinção de gênero, por Keylla García.